PÁGINA INICIAL RÁDIO VIP VIP TV ARTIGOS CANAIS YOUTUBE CASOS E ACASOS

Páginas

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Caduca, diplomacia do Brasil virou um adorno

Saudades da diplomacia brasileira, né? Pois é, o Brasil não tinha tanta relevância. Ninguém prestava muita atenção no que ele dizia. Mas pelo menos sua diplomacia sabia como se pronunciar. Se acontecesse o pior, se tudo desse errado, sobrava a coerência da diplomacia brasileira. Foi bom enquanto durou. Ninguém disse ainda, talvez por pena, mas a diplomacia brasileira caducou na Venezuela. Tornou-se uma espécie de velha maluca que faz tricô com o novelo de suas próprias contradições.

Não que a diplomacia brasileira não esteja preocupada. Ela está tensa. Nesta quarta-feira (19), chegou a pendurar no site do Itamaraty uma nota. Experimente preencher os espaços vazios. Seja diplomata por um minuto. E ajude a velha maluca a se localizar no mundo: “O Governo brasileiro acompanha com preocupação a deterioração do quadro político e institucional na ……………. e lamenta profundamente as mortes ocorridas em ……………… O Governo brasileiro conclama todas as partes envolvidas a dialogar. A crise política na ……………… deve ser equacionada pelos próprios ……………….., de forma pacífica e com base no respeito às instituições e aos direitos humanos.”

Se você escreveu que a preocupação da diplomacia brasileira é com a ‘Venezuela’, que as mortes mencionadas ocorreram em ‘Caracas’ e que essa crise na ‘Venezuela’ só pode ser equacionada pelos próprios ‘venezuelanos’…, se você anotou tudo isso, está parabéns! A nota da velha maluca, que pode ser lida aqui, diz outra coisa. O texto trata da crise política ‘na Ucrânia’, chora as mortes ‘ocorridas em Kiev’ e prega que só os ‘ucranianos’ podem livrar a ‘Ucrânia’ da crise. Ou seja: você errou tudo. O que atesta sua sanidade mental. A velha é que está maluca, não você.

O meio-fio ferve na Venezuela. Repletas, as ruas exigem que o presidente Nicolás Maduro liberte o opositor Leopoldo López, preso por ter cometido o crime de se opor. Com uma agravante: radical, López se opõe radicalmente. Nesta quarta, o presidente Maduro, já meio podre, foi à tevê. Queixou-se da algazarra na província de Táchira. “Se tiver que decretar estado de exceção e meter os tanques, estou pronto para isso!”, disse ele, como que decidido a tocar o país na base do vai ou racha. Ainda que rachado.

E a diplomacia brasileira? Bem, o Itamaraty informa que “o governo brasileiro acredita ser mais eficaz, no que diz respeito a tomada de posição sobre a situação na Venezuela, manifestação coletiva dos países…” Há três dias, a coletividade do Mercosul soltou uma nota. É nessa peça que a velha maluca se escora. Nela se lê que “os Estados membros” do Mecosul “rejeitam as ações criminosas de grupos violentos que querem espalhar a intolerância e o ódio na República Bolivariana da Venezuela como uma ferramenta política.” E apoiam o aprofundamento do diálogo, como tem sido promovido pelo presidente Nicolás Maduro nas últimas semanas…”
(Josias de Sousa)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário