PÁGINA INICIAL RÁDIO VIP VIP TV ARTIGOS CANAIS YOUTUBE CASOS E ACASOS

Páginas

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Médica Cubana denuncia que recebe menos de 10% do que é pago pelo Programa Mais Médico



Ao ler a manchete achei se tratar de um fato sensacionalista, mas, a denúncia partiu da médica cubana Ramona Matos Rodríguez, de 51 anos, que atuava em Pacajá, no Pará.

Segundo Ramona, ela recebe apenas US$ 400 (mais ou menos R$ 968), dos R$ 10 mil pagos para cada profissional do programa mais médicos pelo governo brasileiro. Outros US$ 600 (R$ 1.452) seriam depositados em Cuba e só poderiam ser sacados no seu retorno ao país.

E o resto de R$ 7.580? Pelas contas, são R$ 30,320 milhões por mês— ou R$ 363,840 milhões por ano. Como o governo Dilma pretende ter 6 mil cubanos no país, essa conta salta para R$ 545,760 milhões por ano — ou US$ 225,520 milhões. Isso na verdade cheira a tráfico de divisas.

Lendo sobre o assunto e, acredito que todos sabem disso, a contratante do programa é a Opas (Organização Pan-Americana de Saúde), que é um órgão ligado à OMS (Organização Mundial de Saúde), da ONU. Mas, o contrato dessa médica que desertou reza que a contratante é uma tal de “Sociedade Mercantil Cubana Comercializadora de Serviços Cubanos”.

Ou seja: nesse angu tem caroço e pode ser um grande ato de safadeza desse governo corrupto do PT, travestido de boa causa.

Fucei alguns sites que dão sustentação ao Petismo e um tal de Tijolaço diz que a médica cubana tem que se explicar de quem está sendo perseguida, pois não pode pedir asilo porque está sendo perseguida pela Polícia Federal. Depois o site diz que vão surgir notícias interessantes sobre a Dra. Romana. Sem dúvida deverão denegrir a imagem da médica como fazem com aqueles que são contra o governo petista ou botam na cadeia os corruptos da base, que nem Joaquim Barbosa. Por outro lado o Ministro da saúde Arthur Chioro defende acordo com Cuba e diz que cubana sairá do Mais Médicos.
Para finalizar, a médica cubana procurou refúgio (quem diria) junto ao DEM e pede asilo político.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário