PÁGINA INICIAL RÁDIO VIP VIP TV ARTIGOS CANAIS YOUTUBE CASOS E ACASOS

Páginas

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Prefeito Nei Rossatto diz que ministro da Educação foi receptivo ao pleito de uma faculdade de Medicina em Alexandria

No final da tarde de hoje fui indagado pelo amigo Manoel Emídio. Sempre empolgado com o crescimento do nosso município, falava da possibilidade de vir para Alexandria uma Universidade de medicina.

O amigo dizia que estava apoiando qualquer iniciativa para beneficiar Alexandria e, Manoel Emídio, como homem de visão, sabe o que diz. Diante do potencial que traz ao município além do referencial, vem a valorização dos terrenos adjacentes e especulação imobiliária local, venda de serviços (restaurantes, hospedagem, empresas de formatura) e melhora da oferta de profissionais de saúde. É uma mina de ouro. Todo prefeito sonha em ter uma faculdade de medicina em sua cidade. Foi enxergando o brilho desse ouro que o prefeito de Alexandria Nei Rossatto foi a Brasília se valer do senador Garibaldi Filho para interceder junto ao Ministro da Educação

Segundo o Dr. Caio Nunes, médico da Universidade Federal da Bahia, “a estratégia do governo federal de se criar faculdades de medicina no interior do país para resolver o problema de interiorização de médicos é no mínimo equivocada”.

O Ministério da Educação informou nesta quinta-feira (2) de maio, que 22 cidades de oito estados das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste foram pré-selecionadas para receber novos cursos de medicina em instituições particulares por meio do programa Mais Médicos. Essas cidades não são capitais, têm mais de 50 mil habitantes e, segundo o MEC, possuem estrutura de saúde e equipamentos públicos. De acordo com o ministro interino da Educação, Luiz Cláudio Costa, um edital lançado nesta quinta prevê a abertura de 1.887 vagas para cursos de medicina nesses 22 municípios.

Critérios
De acordo com o MEC, os municípios interessados em receber as novas vagas de medicina precisam ter número de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) igual ou maior que cinco; número de alunos por equipe de atenção básica menor ou igual a três; leitos de urgência e emergência ou pronto-socorro; aderir ao Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica; ter centros de atenção psicossocial; e pelo menos três programas de residência médica.
O G1 informa que Sobre a previsão do edital de que as cidades selecionadas necessitem ter estrutura de serviços de saúde para reivindicar o curso de medicina, o ministro Arthur Chioro disse que, embora o Brasil tenha 5,5 mil municípios, o país é divido em 447 regiões de saúde.

Segundo ele, quando cidades com 30 mil, 5 mil ou 2 mil habitantes são próximas, todas se beneficiam com a abertura de vagas na “cidade-polo” da região. De acordo com o ministro interino da Educação, Luiz Cláudio Costa, a expansão do ensino superior em todos os cursos se faz por regiões, e a chamada “interiorização” é importante para corrigir “assimetrias” na oferta de vagas entre municípios do interior e capitais.


O município de Alexandria, sem dúvida, partiu em último lugar na busca de uma vaga, mas não é impossível. Vai depender do empenho e força política.

Aconteceu, hoje, audiências com Ministro da Educação, com as presenças do denador Garibaldi Filho, da Sra Genisa Raulino, do Professor Rumennig Raulino da Faculdade Evolução, onde foram tratamos da implantação de uma FACULDADE DE MEDICINA em Alexandria. Segundo o facebook do prefeito Nei Rossatto o ministro mostrou-se muito positivo e receptivo à partir de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário