PÁGINA INICIAL RÁDIO VIP VIP TV ARTIGOS CANAIS YOUTUBE CASOS E ACASOS

Páginas

terça-feira, 8 de março de 2016

Curtas

Final de semana - Um final de semana muito movimentado em Alexandria. Principalmente nas redes sociais. Os comentários - segundo um amigo - mais vistos e comentados do que a prisão coercitiva de Lula, foi à feijoada que reuniu amigos e políticos do vereador Mazinho. Podemos dizer que nunca na história política de Alexandria uma festinha foi tão comentada.

O vereador comentou... – Na sessão de hoje da Câmara o vereador Mazinho se mostrou queixoso de alguns comentários, até citando este blog. O amigo sabe que este blog comenta e dá sua opinião. Nada contra o amigo ou que eu tenha a menor intenção de denegrir ou macular a sua imagem. A questão nobre vereador, é que a feijoada foi pública e política. Não há como negar. Diante dos fatos conhecidos por toda população alexandriense da sua rusga, ou melhor: da sua divergência não só política, como também pessoal, com ex-prefeito Nei Rossatto, foi inevitável os comentários pela grande maioria da população. Não somente sobre a sua pessoa, mas, principalmente, a de Alberto Patrício. E, diante do esquenta das eleições, o prato principal para o povo não foi à feijoada. Ela foi apenas um elemento de entrada para o prato principal.

Perdão e paz – O vereador Mazinho disse que a feijoada foi de PAZ. Estava satisfeito e a população deveria entender isso. Foi feita a paz entre ele e o ex-prefeito Nei Rossatto. É bom lembrar que também foi celebrada a paz entre Alberto Patrício e Nei Rossatto. O danado é que Mazinho disse que não convidou o seu ex-desafeto. Ele fora convidado por amigos (amigos da onça esses, heim! Brincadeirinha). Nesse ponto Mazinho tem razão, abriu o coração e perdoou. Ninguém pode criticá-lo por isso. O problema foi à feijoada, sem dúvida.

Não votarei com ele – Depois da sessão da Câmara conversamos, eu e o vereador Mazinho. Depois de explanar os seus relatos o vereador disse que o perdão não significava que haveria um acordo político entre eles. Só não disse se acompanharia o grupo que Nei Rossatto apoiasse, já que ele não poderá ser candidato.



Ânimos acirrados – Por falar nisso, os ânimos andam muito acirrados por parte da oposição. Está rolando um stress. Hoje o vereador Suê se estressou com esse blogueiro no plenário da Câmara. Misturou um assunto pessoal em plena discussão de um Projeto de Lei. Depois reclamam desse pobre escrevinhador. Abaixo, em outra postagem, eu falo sobre o assunto. Merece um post exclusivo. Veja AQUI.

Para quem interessar possa Muitas vezes, aqueles que defendem o indefensável, se utilizam de aspectos morais para se justificarem. Praticando assim, injustiças e violência, além de estuprarem o futuro. Essa não foi tirada de folhetim não.

Eu sempre tenho dito... – Não sou supremo da verdade, sou humano e passível. Porém, primeiro provem que eu erro nas minhas opiniões. Depois venham conversar de igual para igual.

A política é flexível mesmo – Até bem pouco tempo, Nei Rossatto dizia nos palanques e em qualquer roda de conversa que foi a sua liderança foi quem elegeu o ex-prefeito Alberto Patrício. Que ele não tinha liderança política. Hoje, mesmo ainda muito desgastado, alguns correligionários de Nei tratam Alberto como uma grande liderança e que, seriam imbatíveis os dois juntos. Eu concordo que os dois ainda lideram muitos votos, mas, acho que não são imbatíveis. Principalmente porque os dois juntos em um mesmo palanque, não há como esquecer que os mesmos foram protagonistas de fim de administrações melancólicas e somam mais de dez meses de salários deixados em atrasos.

Olhar digital – Se a política fosse vista com um olhar digital, ou no mínimo com a dignidade e a honestidade merecida, se veria como ela hoje não é praticada com decência e moral. Roubalheiras, péssimas administrações, conchavos imorais aos olhos do povo... E agora vem essa moda danada de dizer que o culpado de tudo é o povo, porque ninguém mais é honesto. “Atire a primeira pedra aquele que não pecou por desonestidade.” Enquanto eles roubam nosso dinheiro e a nossa dignidade nós pagamos por pequenos e ínfimos deslizes que não deixam servidores com fome e pacientes morrendo em filas de hospitais. O pecado maior é votar nessa gente de novo.

Mazinho pede carro fumacê – O vereador pediu as autoridades que solicitassem a vinda do carro fumacê para combater o mosquito da dengue em nossa cidade. Pois os casos da doença no município eram muitos.


Será que ainda existe? – Meu caro vereador Mazinho. Acho que o carro fumacê não é mais utilizado com frequência pelo Ministério da Saúde. É que não estava resolvendo o problema com eficiência. Posso estar enganado, mas, me parece que no lugar de matar o veneno estava fazendo o inverso, criando resistência para o mosquito. Vi uma reportagem onde cientistas notificaram que o mosquito já havia criado autonomia de vôo de 10 para 50 metros. Capacidade para se proliferar em água suja e procriar-se, de 10ml de água, para uma simples tampinha de garrafa. A coisa é feia, amigo vereador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário