PÁGINA INICIAL RÁDIO VIP VIP TV ARTIGOS CANAIS YOUTUBE CASOS E ACASOS

Páginas

21 de novembro. Hoje É: Dia da Homeopatia, das Saudações, Mundial da Televisão

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Socorrer o policial ou o traficante? Cada sociedade colhe os frutos das suas escolhas



Ontem, 17, no programa de Fátima Bernardes, Rede Globo, oito participantes tiveram a oportunidade de escolher entre duas questões apresentadas: socorrer um policial ferido levemente ou um traficante ferido gravemente.


Sete respostas foram para socorrer o traficante. O deputado Federal, Capitão Augusto, fez um relato sobre a maciça decisão das sete pessoas que votaram a favor do traficante.

Primeiro, é importante destacar que a Rede Globo, seguindo sua cartilha contra valores e de ataque aos policiais militares, subliminarmente conduziu os participantes a responderem que socorreriam o traficante afirmando que este estava gravemente ferido e que o policial apresentava ferimentos leves. Afinal, esse era o resultado que a Rede Globo desejava obter.

Mas, a despeito do ardil utilizado por aquela odiosa Rede de Televisão, o resultado revela algo ainda mais grave: o desmoronamento moral e a completa inversão de valores da sociedade brasileira contemporânea, especialmente a carioca.

A decisão entre socorrer o policial ou traficante é, em última análise, a escolha entre o bem e o mal. O policial militar saí todos os dias da sua casa sem saber se voltará para o seio da sua família, oferecendo sua vida para proteger aqueles que nem mesmo conhece. Enquanto isto, o traficante destrói famílias e, sem qualquer respeito pelos direitos humanos, assassina nossos filhos e filhas. Decidir entre o policial e o traficante é, portanto, decidir entre a vida e a morte, entre a ordem e a barbárie, entre o bem e o mal.

Mas, ainda assim, a nossa sociedade - representada por aquelas 08 pessoas - escolheu socorrer o traficante e abandonar o policial à sua própria sorte, ou seja, socorrer quem a agride e abandonar quem a protege. 

Talvez seja melhor acreditar – e é assim que penso – que aquelas 07 pessoas que escolheram socorrer o traficante não representam legitimamente a vontade do povo brasileiro. Ou então seja melhor acreditar que não foram capazes de perceber que estavam sendo sorrateiramente induzidas pela Rede Globo a responderem que socorreriam o traficante. Ou, quem sabe, são pessoas ardilosamente selecionadas pela Rede Globo justamente porque seus perfis indicavam que responderiam como responderam.

De todo modo, vale uma observação importante: países de primeiro mundo e com democracias consolidadas valorizam seus policiais, pois sabem que são eles quem os protegem dos traficantes e de outros criminosos que não respeitam a vida e os direitos alheios.

Cada sociedade faz suas escolhas e colhe os seus frutos. E você, quem socorreria? O policial ou o traficante? Lembre-se: os frutos da sua decisão serão colhidos por você e por seus filhos!

"EU ESCOLHO SOCORRER O POLICIAL!"

Do Blog: Concordo em gênero, número e grau com o Capitão Augusto. E acrescento: No meu trabalho no ITEP, tenho visto e ouvido muito de autoridades na área sobre o sub mundo do tráfico. Os assassinatos friamente de pais de família, de mulheres, até grávidas; de inocentes crianças de colo em assaltos sem reação; é tão somente planejados por eles. Servem de exemplo para que a sociedade não reaja. Principalmente se foram policias.

A lei do crime do tráfico é severa até entre eles. O traficante é capaz até de matar um parente de primeiro grau que lhe tenha contraído uma dívida não paga ou que o denuncie. É para não dar mal exemplo e abrir brechas para outros o fazerem.

Não desejo, jamais, que isso venha a ocorrer com a minha ou a sua família. Mas, não dá para entender alguém que defende regalias para os praticantes desse câncer que corrói as famílias. Seja pela própria droga ou pelas vidas ceifadas na busca de dinheiro fácil para alimentar o tráfico.

Discordo de execuções ou fazer a lei com as próprias mãos. Porém acredito que regalias é para quem merece. Para exemplos de cidadãos. Primeiro o bem. O mal, se houver tempo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário